29/04/10

Alta Voltagem

Fim do infinito
Quebra a corrente
Do alto ritmo

Soa vagarosa
Escabrosamente
Lenta, bate chapas
Na tua mente

Que esquenta e
Apoquenta
Verosímeis inquietudes
De tão sólidas virtudes

Curta, longa-metragem
Que faz de ti meu anjo selvagem
A minha faixa de rodagem
Com perigo de alta voltagem

2 comentários:

Peter disse...

Muito obrigado pelo teu comentário, é sempre bom receber apoio quando estamos em baixo (=
Adorei o teu poema, vou seguir e ler mais.

FatinhaMussato disse...

Foi muito bom estar aqui e poder ler este delicioso poema!
Desculpe por não ter vindo antes, estive meio ausente da net!
Paz e Luz ao seu dia!
Beijinhos n'alma!
Fatinha.