10/06/15

LINHA Nº 2

O tempo das horas mortas
Mata mais que o tempo maior
Ao de lá das sombras os véus
Das curvas nocturnas as luzes
Intensas e profundas que defumas

Na maré de plataformas a rotunda
Estatelada na estrela cobre de dor
O dourado da cor como as gretas
Que se formam nos lábios viciados.


Esteve suprimido agora está a
libertar-se.

Sem comentários: